terça-feira, julho 08, 2008

Menina e Moça

É dos textos mais misteriosos, tanto quanto ao autor, Bernardim Ribeiro, de quem muito pouco se sabe (terá nascido no Torrão, em fins do quatrocento e morrido para lá dos meados de quinhentos...), como quanto ao corpus literário - sobre o qual existem múltiplas leituras...
Referências dos contemporâneos,que com ele peitaram, Sá de Miranda e Luís de Camões, poucas ou quase nenhumas!...
"Menina e Moça" livro de espantar, ainda hoje se lê com mor deleite e prazer infindo.
Em edição critica, Teresa Amado se lhe refere, com desfalecimento, deste modo: " Já atrás me referi a algo que para mim se tornou uma certeza: que a Menina e Moça não é obra duma escrita «romanesca» no sentido em que o romance seja arte representativa, mas sim duma escrita em que domina o estilo que poderia chamar-se «transfigurativo» porque produz a imagem invisível - psíquica, espiritual- dum real que, aparentemente, pinta, ou, inversamente, transforma em história, pessoas e coisas, os objectos espirituais a que, efectivamente, se refere."
Mas o que importa é conviver com Bernardim Ribeiro e com o seu Menina e Moça.
Leia-se a entrada, o "Monólogo da Menina": "Menina e moça me levaram desta casa de minha mãi para muito longe. Que causa fosse então daquela minha levada, era ainda piquena, não a soube. Agora não lhe ponho outra, senão que parece que já então havia de ser o que depois foi. Vivi ali tanto tempo quanto foi necessário para não viver em outra parte. Muito contente fui em aquela terra, mas, cuitada de mim, que em breve espaço se mudou tudo aquilo que em longo tempo se buscou e para longo tempo se buscava. Grande desaventura foi a que me fez triste ou, per ventura, a que me fez ser leda. Depois que eu vi tantas cousas trocadas por outras, e o prazer feito mágoa maior, a tanta tristeza cheguei que mais me pesava do bem que tive, que do mal que tinha."
Que prazer na leitura e nas releituras que se fazem, ou podem fazer, desta obra maior do Cancioneiro de Garcia de Resende!
Foi por este contemporâneo deleite que postei Bernardim e a sua Menina e Moça.
JA

1 comentário:

Antonio disse...

Absolutamente de acordo. Na verdade, o "Menina e Moça" é visto, por não poucos especialistas em Literatura, como o prototipo do Romance.
Também eu leio e releio "Menina e Moça" sempre com prazer e sempre probto a nele descobrir novas coisas.
António Eduardo Lico,