domingo, maio 25, 2008

Ainda a sonorosa campanha "anti" GALP

Esta, do sonorosa, só aparece aqui porque, o Água Lisa 6, João Tunes, fez a fineza de "inventar" um Hino para a dita campanha.

Esta campanha, com balão e tudo, tem vindo a ser tocada pelo excelente, quanto leal, frontal e homem de enorme carácter Luís Novais Tito, da barbearia do senhor Luís.

O João Tunes, na sua "barbearia", no comentário a um comentário diz, simplesmente, isto, falando do LNT: "O melhor bloger da blogoesfera!". É a minha convicção, também.

Posto isto, vamos ao que importa.

O Luís escolheu a GALP como responsável pela alta dos combustíveis a nível nacional e, acha ele, deviamos, TODOS, boicotar a dita companhia e abastecer os nossos carros na vizinha Espanha e/ou nas concorrentes (esta parte é da minha responsabilidade, mas se não formos à GALP, aonde vamos?...). É uma tese...e, ainda, uma Campanha!

Creio que o João Tunes (que é homem que sabe deste metier...somente por que esteve mais de 30 anos neste negócio...E isto não é um argumento de autoridade: é um facto.) já explicou as razões, os factos, de LNT ter escolhido mal este alvo.

LNT insiste, e aqui tem todo o direito de perserverar no alvo (e, eu, digo - no erro), colocando algumas perguntas ao João Tunes. Improcedente. Quem está convencido que, à partida e, também, à chegada, tem razão - muito dificilmente o argumentário do outro o fará retroceder, ou reconsiderar. Portanto, LNT insiste no seu alvo, a abater: a GALP!

Não vem mal ao mundo que assim seja. Contudo podiamos fazer um outro exercicio. Podiamos procurar outros caminhos.

1- Imaginemos que, o nosso país, como a Venezuela, tinha petróleo, até para dar - como eles fazem aos amigos cubanos. Imaginemos que era a GALP que tinha a concessão, a gestão e a posterior distribuição. Aqui, a GALP controlava TODO o processo de construção dos preços. Aqui seria, plenamente, avaliada pelos preços que colocava no mercado interno. Aqui, sim, se estivéssemos perante preços especulativos (como , anos a fio, ocorreu com a construção para habitação...e ninguém montou campanhas) faria sentido zurzir e montar boicotes.

2-Imaginemos que, o país, já estava mais avançado nas duas vertentes importantes desta problemática das energias:
2.a- A eficiência energética, a poupança (dos dez estádios de futebol construidos para o Euro 2004, com fundos comunitários e apoios das autarquias locais, nenhum deles "investiu" na eficiência energética, nenhum deles utiliza a energia solar!) que se reflectiria na factura dos hidrocarburos, obviamente;
2.b-A criação de energias alternativas às derivadas dos hidrocarburos: solar, eólica, ondas do mar, gaz natural (aqui não estamos muito mal, por que estámos a importar da Argélia e,creio eu que, também, da Venezuela e não estamos dependentes da GAZPROM e dos seus preços especulativos!), biodiesel, biogás.

3-Imaginemos um outro modelo económico, que não estivesse assente no automóvel, nas auto-estradas e que, portanto, não estivesse a aquecer o mercado dos combustíveis.

Ora podiamos, pois, imaginar outros caminhos, outros alvos atingir. E não estamos em plena utopia. A Alemanha, a Dinamarca, a Suécia (entre outros...), países que não têm petróleo - estão em bom andamento para uma certa independência energética em relação aos hidrocarburos. Creio que, na Alemanha, todas as frotas de transportes colectivos (em quase TODOS os seus Land's) funciona a biogás. Como país, Portugal, podiamos, perfeitamente, copiar. Sobre esta problemática há muita, mesmo muita informação.

Depois, ele há mesmo coisas de espantar, o consumo privado, em 2007, aumentou, em termos absolutos, em Portugal, em relação a 2006.

Pois. Ele há várias maneiras de discutir estas problemáticas. Sem paixão, sem argumentos consistentes, com informações rigorosas, com competência, com vontade de contribuir para se encontrar soluções, com posturas justicialistas. Ele há várias maneiras de falar de hidrocarburos. Ele há mesmo quem sustente (o antigo Presidente da Comissão Energética da ONU, um académico português) que os hidrocarburetos estarão, ao ritmo de crescimento de consumo mundial expectável, completamente exauridos, em 2050! Não acreditam? Quem viverá ,verá!

Portanto, em meu modesto saber, há outros caminhos, outras Indias a haver, nesta problemática do consumo versus consumidor de combustíveis: eficiência energética, poupança, alternativas energéticas aos hidrocarburos, nomeadamente.

Boicotes à GALP?! Pois, se calhar, a GALP funciona, aqui, nesta campanha, como um espelho que, ao invés de reflectir a realidade, distorce-a, simplesmente. Pode bem ser!
Finalmente, sugeria que se lesse e ouvisse, com muita atenção, o que anda a dizer (entrevista ao RCP, à SIC noticias, nomeadamente) o actual Presidente da PARTEX que é, provavelmente, na actualidade, quem mais sabe, em Portugal, de energias e de hidrocarburos.

Abraço fraterno ao LNT e, desde já, quero marcar ida à sua barbearia, para cavaquearmos sobre...tudo e alguma outra coisa que nos aprouver então.


José Albergaria (JA)
PS - A flag da Turquia? Depois explico e fá-lo-ei no contexto do alargamento da UE e da possível entrada daquela.

3 comentários:

MFerrer disse...

Bom post.
A única resposta consiste na utilização de transportes colectivos e na redução da dependência deste modo de vida descuidado.
A complicada ideia de boicotes não serve para nada. Tr^s dias sem comprar Galp? Eles vão-se matar a rir pela inocência.
Já três dias sem carros a andar, já seria outra coisa.
E então a peregrina ideia de o Estado financiar o consumo é simplesmente ridícula. Como a de reduzir o ISPE, QUE É UMA TAXA FIXA E NÃO UMA PERCENTAGEM, seria apenas "comida" pela próxima subida dos outros factores de custo, seja o crude, o transporte ou refinação.
O mal está também na liberalização dos preços ( não havendo duas refinarias, no mínimo)e na lista dos gestores da Galp.
É ver quem lá está e calcular como, e a que custo.

Antonio disse...

Bom, a Galp é apenas mais uma peça (pequena) na trucidante engrenagem que envolve o petróleo. A Galp tem a culpa que tem.
Vem completamente a despropósito meter a Venezuela no "post" para ilustrar o que será o papel da Galp no processo de fixação dos preços dos combustíveis. É uma comparação mais do que forçada.
Regressando à Galp; ninguém sabe quem é a Galp nos centros em que se decide todo o processo. E agora a opção é por petróleo caro, muito caro; há também outra opção, a que já assistimos e sentimos - uma recessão monumental.
Mais Galp.... menos Galp, não é isso que é interessante.
António Eduardo Lico

pvnam disse...

Projecto de Interesse Nacional

---» Toda a gente sabe que existe muito 'boa gente' que se infiltra nos governos... com o objectivo de realizar negociatas para amigos.
---» Os infiltrados são difíceis de controlar... no entanto... a sociedade civil pode (e deve) controlar as negociatas!

---» De facto, o conceito «Projecto de Interesse Nacional» não pode servir apenas para que amigos... tenham acesso a áreas protegidas (vulgo reservas naturais)!
---» Isto é, COMBATER A ROUBALHEIRA deve ser considerado um Projecto de Interesse Nacional!




UM EXEMPLO: o preço da gasolina

Em 2002 um barril de petróleo custava 70 dólares , o que equivalia, grosso modo, a 77 Euros; hoje ele custa (cerca de) 120 dólares - o que equivale, sensivelmente, a 77 Euros!
No entanto, se compararmos o preço da gasolina em 2002... com o preço da gasolina de hoje...

---» O combate contra os especuladores deve ser feito, não através de acções conjunturais (um exemplo: a manifestação corporativa dos pescadores...), mas sim, através de acções estruturais; um exemplo: a sociedade civil não pode permitir que os bens de primeira necessidade fiquem à mercê de especuladores... consequentemente... as refinarias devem ser NACIONALIZADAS!
---» De facto, em oposição aos lucros escandalosos dos especuladores, com uma gestão pública adequada, será possível que as refinarias dêem LUCRO (sim lucro!)... mesmo que... exista uma redução substancial no preço da gasolina!
{ nota: para produtos de primeira necessidade -> o conceito de combater a ROUBALHEIRA... com lucro... não se deve restringir ao preço da gasolina }


P.S.
Eu já disse isto 'n' vezes: os montes de idiotas úteis que andam por aí, que abram os olhos duma vez por todas: o CAOS... proporciona oportunidades que os Capitalistas Selvagens adoram aproveitar...